Como o Google encontra os conteúdos de um site?

Sempre que pesquisamos algo no Google, ele nos apresenta uma listagem grande de links, vídeos, sites e blogs com o conteúdo que a gente precisa. A pergunta que fica, é: “Como o Google encontra os conteúdos de um site?”. E nós respondemos: através dos algoritmos.

O buscador atualmente, faz uso de um sistema de inteligência artificial, que é capaz de “peneirar” os conteúdos do mundo todo na web atrás do que se pesquisa. Esse sistema é composto por algoritmos e são eles os responsáveis por encontrar e identificar os conteúdos que buscamos.

Os algoritmos do Google são robôs criados para operar em um sistema, no qual a informação passa por criteriosos filtros até atingir os rankings desejados dentro do buscador.

Sempre foi assim?

Não e era uma bagunça! A internet dos primórdios não tinha qualquer respaldo quanto à qualidade das informações que apareciam nas primeiras posições, sempre que pesquisávamos algo no Google. Desta forma, muito material de baixa qualidade era divulgado e compartilhado, surgindo o chamado Black Hat (lado negro da força web).

SEO – Search Engine Optimization

A fim de prevenir e combater este problema, os buscadores principais (Google, Yahoo) criaram o famoso SEO – Search Engine Optimization, um conjunto de técnicas e algoritmos que combinadas, cruzam informações na internet, selecionando e apresentando as melhores informações possíveis relacionadas com o termo ou assunto pesquisado.

Ao longo dos anos, ocorreram várias mudanças de algoritmos do Google, sendo estas as principais:

– Algoritmo Panda

Lançada em 2011, essa atualização de algoritmo vitimou 12% dos sites irregulares na internet. Não eram mais permitidas páginas com conteúdo duplicado, textos gerados de forma automática, pouco ou nenhum conteúdo, excesso de palavras chaves ou links no meio da matéria.

Algoritmo Penguin

Esta atualização chegou um ano depois. Em 2012, mais 3% dos sites na internet sofreram para aparecer nas primeiras posições. Foi nesse ano que, os buscadores e principalmente o Google, entenderam o quanto as técnicas de SEO eram fundamentais para que a internet tivesse um conteúdo relevante.

Algoritmo Hummingbird (2013)

Essa mudança de algoritmo veio para aperfeiçoar as técnicas de SEO. Dentre estas mudanças era a aceitação de sinônimos em vez dos termos exatamente iguais aos pesquisados no Google.

Ou seja, os buscadores conseguiam rastrear o conteúdo pela correspondência semântica das palavras. Era já um primeiro passo rumo a compreender a intenção de busca do usuário.

Algoritmo Pigeon (2014)

Essa mudança apresentava agora todas as informações diretas e indiretamente ligadas ao assunto pesquisado. Se o usuário queria saber sobre um restaurante num determinado bairro, poderia também receber informações de outros restaurantes próximos de sua localidade.

Algoritmo Mobilegeddon (2015)

Este apresenta os recursos de SEO, desta vez, aplicados em conteúdos próprios para celulares. Ou seja, rastreia sites que sejam responsivos o suficiente para serem acessados na palma da mão.

RankBrain (2015)

Por fim, o Rank Brain é a evolução em SEO que mais se aproxima do homem. Isto porque, ele busca conteúdo conforme o jeito humano de pensar uma pesquisa. Ele raciocina tal qual uma pessoa, sobre o assunto desejado, para buscar as informações que ela necessita.

Como se pode ver, hoje é indispensável um conteúdo de qualidade na internet e que seja adaptado em SEO. E não adianta qualquer pessoa tentar fazê-lo, porque tal tarefa exige um conhecimento bastante apurado. E o resultado, só quem pode garantir são as agências de conteúdo, que contam com redatores profissionais para produzir o que você precisa para alcançar as melhores posições no Google.

Você também pode gostar: Onde comprar máscara de proteção